Inpromed

<< voltar

Curitiba Hostel



Em 2011, o mesmo empreendedor do Hostel Zorro, da Ilha do Mel-PR, apresentou o projeto para a família Strobel, para renovação do espaço conhecido como A Casa Strobel, construída em 1930 em estilo colonial, patrimônio cultural tombado pelo governo do estado. Em conjunto com o arquiteto Daniel Gulgelmin, a restauração teve ínicio, respeitando-se as características dos anos 30 e mesclando com um pouco de modernidade em seu interior, dando vida ao charmoso Curitiba Hostel!

Curitiba Hostel
Em 09 de Setembro de 2012 o Curitiba Hostel inaugurou todo o seu charme no Largo da Ordem. Oferecendo serviço de alta qualidade para seus clientes no seguimento de hospedagem. A filosofia que o Curitiba Hostel segue é que todos devem conhecer diferentes culturas por meio do intercâmbio cultural que acontece dentro de um hostel, prezando a amizade, solidariedade e o desejo de novos horizontes que uma viagem trás consigo.

Centro Histórico
O Centro Histórico de Curitiba, também chamado de Setor Histórico de Curitiba, é um conjunto de edificações de importância histórica e cultural da cidade brasileira de Curitiba, capital do estado do Paraná. Parte deste trajeto é conhecido informalmente como Largo da Ordem, local onde todos os domingos, desde 1973, ocorre a tradicional Feira do Largo da Ordem. Nele encontram-se importantes construções, como a Igreja da Ordem, o Museu Paranaense, a Igreja do Rosário, a Catedral Metropolitana a Casa Romário Martins, a Igreja Presbiteriana, as Ruínas de São Francisco, a Sociedade Garibaldi, o Memorial da Cidade de Curitiba, o Museu de Arte Sacra, além do Relógio das Flores e a Fonte da Memória. O local é tradicional ponto de encontro da população, pois, além da feira dominical, abriga vários bares, pubs e restaurantes, alguns com comida típica dos imigrantes que ajudaram a colonizar o município. Fechada para o tráfego de veículos na primeira gestão do então prefeito Jaime Lerner, tal região passou a receber mais atenção e cuidados por parte das autoridades locais. Com significativo papel histórico, cultural e social, tem nas suas imediações construções dos séculos XVIII e XIX, que atualmente encontram-se restaurados e adaptados para utilização comercial. Desde o século XVIII, o Largo foi palco de intenso e variado comércio, quando os colonos levavam de carroça produtos hortifrutigranjeiros, e compravam nas casas comerciais. Os tropeiros e fazendeiros da região costumavam dar de beber a seus cavalos e mulas no bebedouro, ainda hoje existente, no centro do Largo da Ordem, em frente à Igreja da Ordem e a Casa Romário Martins. Datado de meados do século XVIII, é construído em pedra, com uma bacia metálica. Sua arquitetura conta com influência portuguesa e alemã, esta com características mais urbanas.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/

Lendas Curitibanas
Cercado de lendas urbanas, algumas envolvendo as Ruínas de São Francisco. A mais conhecida trata da existência de uma série de túneis, que ligariam tal igreja inacabada às outras igrejas do Largo, bem como à catedral da cidade, ao Colégio Estadual do Paraná e aos clubes Concórdia e Garibaldi. Embora comprovada a existência de passagens secretas escondidas no subterrâneo da cidade, jamais se descobriu quais pontos elas exatamente ligam, tampouco a data da construção, ou ao menos sua finalidade. Uma outra lenda também muito conhecida envolve a fundação de Curitiba. Diz que havia uma imagem de Nossa Senhora da Luz na capela do primeiro vilarejo de Curitiba, a Vilinha, ainda às margens do Rio Atuba. Todas as manhãs, essa imagem se voltada para a mesma direção (não adiantava mudar a santa de posição porque ela se virava para aquele lugar). Interpretando como uma vontade de Nossa Senhora de criar uma cidade naquele lugar, foi feito o contato com o cacique dos índios tingui, o Tindiquera, que ficava no espaço para onde a santa olhava. Este teria colocado uma vara no chão, dizendo "Coré Etuba", que significaria "muito pinhão". Essa vara teria brotado e virado uma frondosa árvore, sendo este o marco zero da cidade de Curitiba.

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br

Plano de Preservação do Patrimônio Cultural
(Casa de Carnes – L60 Cel Eneas)
Michigan (CL dos Santos) – parcialm. Fachada
Mau estado, só funciona bar térreo
Desde 13/03/1990 

Largo da Ordem
Desde que começou a existir, o Largo da Ordem (ou Largo Coronel Enéas, se preferirem) sofreu inúmeras modificações. Além das construções seculares nele existentes e com a graça de Deus preservadas quase fora de trempo – por isso deverá já ter bebedouro para animais localizado bem no meio da praça. Não é porém tão antigo quanto possa parecer, nem tão moderno quanto sua manutenção pretenda escamotear. Em 1900 inexistia o pitoresco bebedouro. O que havia no Largo eram os bondes puxados a burro, cuja linha procedia da Rua Assunguy (Mateus Leme), do ponto de cruzamento desta com a Rua Serrito (Carlos Cavalcanti). Depois e atravessar o Largo e a Praça Osório em duas partes quase iguais, pois subia a Comendador Araújo demandando o Batel, considerado na época o arrabalde mais próximo do centro da cidade: um quilometro.